Fronteira Rio-Luanda: como seria o mundo se a Pangeia não tivesse acabado

Pangeia - Massimo Pietrobon

A maioria das pessoas lembra de aprender sobre a Pangeia no ensino médio – o continente gigante que deu origem à geografia moderna, com regiões separadas por oceanos e uns distantes dos outros. No entanto, um mapa feito por um artista italiano viralizou nas redes sociais do mundo em dezembro por refazer a cartografia original terrena.

Cerca de 335 milhões de anos atrás, a Pangeia era o único continente do mundo. Toda a terra do planeta era uma gigante massa cercada pelas águas do mar. No entanto, aproximadamente 175 milhões de anos atrás, esse bloco continental começou a se romper, formando os seis continentes que conhecemos hoje.

O artista e designer italiano Massimo Pietrobon tentou responder como seria o mundo se esse fenômeno natural não tivesse acontecido por meio de um mapa. Nasceu então a obra Pangea Politica, que ilustra o planeta como ele seria se nossos modernos países ainda formassem um único continente. O resultado é um globo terrestre em que muitas nações distintas seriam vizinhas — a Austrália estaria perto da Antártica e as passagens aéreas entre a Rússia e os Estados Unidos seria provavelmente mais baratas.

Pietrobon conta que, conforme ia projetando sua obra, notava que cada país estaria conectado com outro de alguma forma, o que faz com que os conflitos que ditaram o rumo da história sejam ainda mais difíceis de compreender. Para ele, a imagem não é apenas chocante, mas é uma lembrança de que as fronteiras são fluidas em uma era em que elas parecem mais fortes do que nunca.

“Juntar o mundo em um único pedaço de terra representa o retorno à unidade com o planeta e com a humanidade, ao invés das divisões que fazem nossos governantes tão confortáveis”, disse ele em seu Facebook.

O mapa de artista italiano ainda ajuda a compreender as linhas em que os países do mundo estão em relação aos outros. O Brasil, por exemplo, faria fronteira com 12 países – todos africanos. Florianópolis ficaria dividida entre as águas do Brasil e da Namíbia, assim como Porto Alegre e Curitiba estariam perto do mesmo país. São Paulo e Rio de Janeiro estariam há algumas milhas náuticas da Angola, Salvador, na Bahia, estaria ligada ao Gabão e Fortaleza, no Ceará, poderia construir uma ponte rodoviária que chegaria a Lagos, na Nigéria.

A Argentina teria uma imensa fronteira com a África do Sul, a costa oeste dos Estados Unidos dividiria seu mar com a Mauritânia e o Marrocos, e a Europa não estaria tão longe da Groenlândia e do Canadá.

Pangeia - Massimo Pietrobon