Elvis Presley (1956) – O primeiro álbum do Rei do Rock

Elvis Presley gravou mais do que um disco de rock’n’roll em 1956, gravou o disco que impulsionou sua carreira e imortalizou sua voz em canções populares da época.

“Gosto dessa música que o Elvis compôs, Blue Suede Shoes”. Alguém na vida já pensou isso, com certeza. Pensou errado. “Blue Moon do Elvis é muito linda”. Sim, é, mas também não foi ele que compôs. Nenhuma música é de autoria original de Elvis Presley nesse álbum de estreia.

“Então por que diabos esse disco é tão importante?”. Porque é o primeiro do Elvis e isso já deveria ser o suficiente. Tem duas coisas que o tornam esse disco memorável. A voz de Elvis Presley que com o disco passou a ser disseminada pelos Estados Unidos e as guitarras gravadas por Scotty Moore, um dos mais importantes e talentosos guitarristas da história e, que assim como Elvis, ainda está vivo (de verdade).

Além da música, a capa também é memorável. A foto foi registrada por William V. “Red” Robertson em 31 de julho de 1955, em Tampa, Florida. Quem acha essa capa inesquecível sou eu e The Clash, que homenageou o Rei do Rock com a capa de seu melhor disco, London Calling, em 1979.

Primeiro álbum de Elvis Presley - Capa

Elvis Presley (1956) – Faixa a Faixa

Disponível para ouvir no Eu Escuto

1. Blue Suede Shoes

“Well it’s one for the money, two for the show, three to get ready now go, cat, go”. A primeira música do primeiro álbum de Elvis começa com o que mais marcou sua carreira, a inconfundível voz. Uma das mais conhecidas gravações de Elvis tornou-se um clássico. Música de Carl Perkins.

2. Counting On You

Elvis ficaria conhecido e muito por suas baladas anos depois. Não é o foco do começo de sua carreira, porém Counting On You é um preâmbulo do que viria acontecer. Composta por Don Robertson, é uma sincera canção de amor e uma súplica à cumplicidade. I’m counting on you dear around the dawn of each day, to always come true, dear, in your kind lovin’ way.

3. I Got a Woman

Depois de uma balada, Elvis volta ao rockabilly com I Got a Woman. Considerando o ano de 1956, Elvis foi bastante pretensioso ao regravar uma música de um compositor negro. Estamos falando aqui de Ray Charles. A música é reta, mantendo o mesmo ritmo do início até o…quase fim, quando nos últimos segundos é encerrada com uma pertinente e curta levada de blues.

Rei do Rock
Elvis on stage. by Alfred Wertheimer (1956)

4. One-Sided Love Affair

Essa é uma das músicas que devem ter deixado muitas mulheres apaixonadas pelo Rei. If you want to be loved, baby, you’ve got to love me, too. Oh yeah, ’cause I ain’t for no one-sided love affair. Não há mulher na década de 1950 que não se encantaria com esses versos no ritmo dançante imposto por Elvis. Não há. A música é de Bill Campbell.

5. I Love You Because

Após dois rockabillys fervorosos, Elvis volta com uma balada. Composta em 1954 por Leon Payne, ganhou essa versão romântica, melosa e apaixonada de ElvisNo matter what the world may say about me, I know your love will always see me through. I love you for the way you never doubt me.But most of all I love you ’cause you’re you.

6. Just Because

Elvis era bipolar, isso está escrito na vasta bibliografia sobre o Rei. O que tem a ver com o primeiro disco é que essa música seguinte torna o álbum também bipolar. Just Because, composta em 1929 por Joe Shelton, Sidney Robin e Bob Shelton é um rockabilly livre. Além do ritmo, da voz e da letra que em palavras contemporâneas toca o foda-se, a faixa contém uma maravilhosa linha de guitarra de Scotty Moore, guitarrista que vale a pena ser lembrado.

7. Tutti Frutti

Awop-bop-a-loo-mop alop-bam-boom. Uma das onomatopéias mais famosas do rock. A música gravada originalmente por outra grande estrela, Little Richard, é sem sombra nenhuma de dúvida, uma música que mudou a história do rock. Elvis fez uma versão mais rápida e menos “gritada”, caracterizando sua voz grave em vez dos sônicos agudos de Little Richard. Eu diria que as duas versões se completam.

Elvis Presley com 21 anos
Elvis com 21, um piá. by Alfred Wertheimer (1956)

8. Trying To Get You

Voltamos a uma balada. I’ve been traveling over mountains. Even through the valleys, too. I’ve been traveling night and day. I’ve been running all the way. Baby, trying to get to you. É uma clássica canção de uma alma apaixonada fatalmente separada do amor pela distância, composta por Rose Marie McCoy e Margie Singleton.

9. I’m Gonna Sit Right Down (And Cry Over You)

A nona canção é um pré-lamento. Composta por Howard Biggs e Joe Thomas, Elvis faz um ritmo dançante sobre uma letra triste, uma ameaça de alguém que irá espernear e chorar se perder a pessoa que ama. Simplicidade nos versos e na música. I’m gonna love you more and more every day. I’m gonna love you more and more in every way. And if you say good-bye. If you ever even try. I’m gonna sit right down and cry over you.


10. I’ll Never Let You Go (Little Darlin’)

O auge da melancolia no disco de estréia do Rei está nessa faixa. Perto do fim, uma mudança rítmica transforma a música de melancólica a alguma coisa parecida com uma confiança empolgante (não sei de onde veio isso).  I’ll never let you go, little darlin’. I’m so sorry ’cause I made you cry. I’ll never let you go, ’cause I love you. So please don’t ever say good-bye. Os versos são de Jimmy Wakely.

Rei do rock
Só mais uma na vida de Elvis. by Alfred Wertheimer (1956).

11. Blue Moon

Quem não conhece Blue Moon? Blue moon, you saw me standing alone. Without a dream in my heart. Without a love of my own. Lembrou? A bela balada amplamente regravada até os dias atuais e em distintas versões. A tradicional canção foi escrita em 1943 por Richard Rodgers e Lorenz Hart. No ano passado foi a vez do Beady Eye regravar com a radiofônica voz de Liam Gallagher. Mas deixaremos o Beady Eye para uma próxima vez, Blue Moon de Elvis é soturna e bem baixinha, destacando a voz de Elvis acima do instrumental.

12. Money Honey

Para terminar aparece de vez no disco a alma blueseira de Elvis. Money Honey, escrita por Jesse Stone é um blues certeiro, tradicional e sem mistério. É para terminar o disco com o ânimo alto apesar de a música terminar subitamente, quase que de forma preguiçosa.  She said I’d like to know what you want with me. I said money, honey.