Vem aí: I Medusa Stoner Festival, em Floripa

Faça você mesmo sua analogia e perceba que Medusa Stoner Festival é possivelmente um dos nomes mais adequados para um festival na Ilha da Magia.

A primeira edição do festival vai rolar na mística Célula Showcase, unidade clássica e confirmada da ilha de Florianópolis, em 18 de junho de 2016, sábadão nervoso.

O line-up do festival é composto por 4 bandas de 4 estados diferentes do Brasil:

  • Hammerhead Blues (SP)
  • Space Guerrilla (RS)
  • Red Mess (PR)
  • Muñoz Duo (MG/SC)

Acho que vale comentar um pouco sobre cada uma, e também mostrar alguns sons pra ti.

Se busca mais informações, dá uma olhada lá no evento.

Hammerhead Blues

A Hammerhead Blues nasceu no início de 2014, e é um baita power trio formado por Luiz Felipe Cardim (guitarra), Otavio Cintra (voz e baixo) e Willian Paiva (bateria).

Apresenta um som visceral, direto e lamacento, altamente influenciado pelo melhor do rock and roll setentista.

O autointitulado primeiro trabalho do power trio paulista foi gravado na segunda metade de 2014. É um EP setentão com quatro faixas: “Low”,“Age of Void”, “Midnight Flight” e “Moontale”.

Ouve aí:

Space Guerrilla

A Space Guerrilla, formada na capital gaúcha de Porto Alegre, é a junção de três seres espaciais que produzem um baita de um stoner rock instrumental.

Formada por Angelo Booze, Cristiano Muniz e Gustavo RB, lançaram em 2014 o EP Boundless.

Ouve aí:

Red Mess

A Red Mess também é um power trio, mas tem uma pegada mais puxada pro lado psicodélico.

Foi formada em 2012, na cidade paranaense de Londrina e em 2014 gravou seu primeiro registro, o EP “Crimson”.

Se alimenta de Black Sabbath, Sleep, Graveyard, Down, King Crimson e outras iguarias. Os ingredientes são preparados por Douglas Villa, Thiago Franzim e Lucas Klepa.

Ouve aí:

Muñoz Duo

O Muñoz Duo, como o nome sugere, é uma banda de duas pessoas. Nesse caso, dois irmãos: Mauro Fontoura e Samuel Fontoura.

Provam que guitarra, vocal e bateria são o suficiente para criar peças com alto preenchimento sonoro, seja lá o que isso queira dizer.

Lançaram em 2013 seu EP autointitulado e, no final de 2014, seu primeiro album: “Nebula”.

Já vi um shows dos caras e já comentei isso inclusive nesse artigo/fotos do show do Kadavar em Florianópolis, na própria Célula.

Ouve aí:

Um pouco da cena Stoner, segundo o Medusa Stoner Festival

Quase que junto da cena Grunge, nascia um estilo que também seria marcado pelo seu peso agressivo, o Stoner Rock!

Riffs encorpados de guitarra, base rítmica potente, viagens lisérgicas interplanetárias e muito rock’n roll dão a cara a esse gênero surgido na costa oeste dos Estados Unidos.

Na sequência temporal o Stoner Rock explodiu para o planeta todo, e uma enxurrada de bandas autorais brasileiras vem ganhando muita força e reconhecimento na cena!

Pra entender como funciona toda essa cena, na prática, nada melhor do que colar no festival.

A produção do Medusa é do Saragaço e do Batmacumba Cultura Independente, com o apoio da Célula Showcase e Dissonante Produções.