Enquanto aguardamos pelo terceiro disco de estúdio do Metá Metá, uma das bandas mais especiais, brilhantes e diferenciadas que a cena brasileira nos brindou em tempos recentes, o trio segue embalado e vai rumo a terceira tour européia. Mas para provar que os músicos envolvidos também se solidarizam com a espera dos fãs, a banda disponibilizou um aperitivo para o terceiro disco com um EP gravado na véspera do embarque para mais uma visita aos pólos desenvolvidos.

Metá Metá TurnÊ Europeia (1)

Temos aqui cerca de 10 minutos de um som que para variar é formidável. O trio é de uma criatividade soberba e o EP espanta pela alta qualidade instrumental uma vez mais. O primeiro tema, ”Atotô”, criação de Kiko Dinucci, foi gravado originalmente por ele e Juçara no ano de 2007 para o disco ”Padê”.

A banda aproveitou para registrar esses temas, pois muitos deles entraram na rota de set list para shows só que nunca tinha sido devidamente gravados. E ”Atotô” entra com o time no topo de seu jogo. O baixo vem cavalgando, o sax ronrona e a voz da senhorita Marçal segue absolutamente cristalina, sempre em meio a mudanças de tempo, peso e melodia, surpreendendo o ouvinte pelo equilíbrio de força e sutileza em meio a mais uma dose de lírica poética.

”Me Perco Nesse Tempo” foi o som que mais surpreendeu. Trata-se de uma jam registrada pelo grupo brasileiro ”As Mercenárias”, evidenciado uma nova faceta no grupo do workaholic Thiago França e deixando claro como o som do grupo não possui nenhuma amarra dentro de questões estéticas, até com Punk os caras mostram feeling.

meta_ep_capa_alta

E a maneira que o sax trabalha nesse som particularmente é bela. É praticamente um metal que emula pedais em puro frenesi free Jazz, sempre elementar dentro de uma imersão de ruídos, bateria bem na linha Ramones da força e linhas vocais raivosas com a parceiro de Kiko e Juçara.

Finalizando o tira teima com ”Cadê as Armas”, Metá Metá na essência com o samba de Douglas Germano e a revolução da MPB silenciosa, sem frescura, com experimentação sonora e nenhum pingo de frescura vanguardista, rumando para o novo e mostrando que o futuro é lindo e acústico.

Se em 10 minutos o nível é assim, com um Full de mais de meia hora os ouvintes vão precisar sentar! Coisa linda, sonzeira fina, baixem aqui e escutem logo abaixo enquanto aguardam a finalização do download!

Guilherme Espir

Publicitário em formação, zappamaníaco e escritor de fundo de quintal fissurado em música tal qual um viciado à espera da próxima dose, neste caso aguardando em abstinência para o próximo disco.