Jeff Christensen é um artista autodidata nascido em Seattle, nos EUA. Hoje, ele mora na cidade de Salt Lake City, estado de Utah.

Desde criança, Christensen nutre uma paixão especial por arte surrealista vertida principalmente para temas obscuros e sombrios. Sua expressão artística se dá através de pinturas a óleo e também em canvas, todas elas muito impressionantes, maníacas e perturbantes.

A essência de suas obras é subjetiva e um pouco difícil de descrever, por isso, suas pinturas não merecem uma análise definitiva. Como todo artista surrealista, Christensen gosta de esconder diferentes significados em suas obras, deixando a cargo do observador interpretar cada uma delas à sua maneira. O legal disso é que, toda vez que batemos o olho em uma pintura, enxergamos coisas diferentes e ao mesmo tempo interessantes.

Os artistas preferidos de Christensen são Hieronymus Bosch, William Blake e Francisco de Goya. Em relação à temática, seu trabalho é influenciado por problemas sociopolíticos, poder, corrupção, guerra, cenários e contextos apocalípticos, superstição e religião. Em cada obra podem coexistir dois ou mais desses temas, e em cada um deles é possível fazer viagens longas e estranhas por mundos paralelos e interdimensionais.

Quanto ao portfólio atual de Christensen, é composto por mais de 55 obras que estão sendo expostas em várias galerias pelos Estados Unidos.

Á primeira vista, a grande maioria das pinturas de Christensen mostra criaturas disformes e medonhas, deformações bizarras e anormalidades anatômicas, seres mórbidos e insalubres; monstros grotescos que inter-relacionam corpo e espírito em forma de utopia.

Christensen diz que, depois de pintar, sua atividade predileta é caçar, ofício em que absorve muito do que propõe a criar.

“Gosto de criar obras de duplo sentido que provoquem um certo desgosto. Sou inspirado por minhas próprias experiências de caça, e quando sou malsucedido, fico irritado com o tempo que perdi, então eu expresso essa desilusão em minhas pinturas.”

Abaixo estão 30 das obras de Christensen nascidas de seu escárnio, com seus respectivos títulos:

1. Escravos no Jardim da Sociedade

43bbb_slaves in a garden of society

2. A Verdade

43main_b_the truth

3. Nunca se Sabe

43dd_never know

4. A Fúria da Vingança

43cc_fury of the vengeful

5. A Espera

43aa_the wait

6. Tempos de Desespero

43ee_desperate times

7. Entre Areia e Estrelas

43ff_between sand and stars

8. Uma Questão de Posse

43r_a matter of theft

9. A Queda

43h_on the fall

10. Ruína

43hh_ruin

11. Temperança

43j_temperance

12. Os Rios Irão Subir

43ll_rivers will rise

13. Agarre Firme

43o_hold fast

14. Violência Prometida 

43n_promised violence

15. Desviado

43pp_led astray

16. Cobiça

43q_greed

17. Proposta Nominal

43uu_meus naquem nomen

18. O Gigante

43k_the giant

19. Colheita

43g_harvest

20. Sob o Cair do Céu

43s_under falling sky

21. Escravos e Parasitas

43ss_ slaves & parasites

22. Espantalho

43u_scarecrow

23. O Usurpador

43zz_the usurper

24. Malevolência Calculada

43t_calculated malevolence

25. Vivendo Atrás da Máscara

43tt_living through my faceplate

26. Esperança de Ouro

43aaa_golden hope

27. Superstição

43v_superstition

28. O Tolo

43x_the fool

29. Sonho Febril

43e_fever dream

30. Ser é Perceber

43xx_being is perceiving

Eduardo Ruano

Eduardo Ruano

Escritor e redator freelancer. Gosto de informação, conhecimento, cultura, arte, música, insights e boas histórias. Odeio cerimônias, falsidades e ostentação. Acredito no valor da humildade e me sinto bem vivendo com simplicidade. Observador ativo do comportamento humano e um apaixonado por ficção. Referências de conteúdo são sempre inspirações. Quando a mente viaja, eu escrevo.
Eduardo Ruano