redes sociais e ansiedade

As redes sociais, como o Facebook e o Instagram, são ótimos meios de facilitar nossa conexão com as pessoas. Seja para compartilhar atividades, nossas opiniões ou manter contato com amigos distantes.

Elas nos fornecem a sensação de estar conectados e atualizados ao que está acontecendo no mundo. O que é bom, afinal, não nos sentimos isolados.

É útil, em muitos casos, para superar a solidão e a depressão, tendo um efeito positivo na autoestima.

O lado negativo é que seu uso excessivo pode levar a problemas sérios. Problemas físicos e mentais, como a falta de concentração, privação do sono, depressão e ansiedade.

Transtorno de ansiedade de mídia social: o que é?

Não é nenhum segredo que as pessoas passam muitas horas na internet. Mas, como identificar o momento que isso se torna uma doença?

Bom, você fica ansioso quando não consegue checar sua conta no Facebook, no Instagram ou no Twitter? Acredite ou não, isso é um verdadeiro distúrbio.

Os transtornos de ansiedade são os transtornos mentais mais comuns no mundo todo. Parece que, quanto mais tecnologia adquirimos, mais estressados ​​nos tornamos.

Uma pesquisa recente mostra que os brasileiros desbloqueiam o celular, em média, 78 vezes ao dia. Entre pessoas com idades de 18 a 24 anos, esse número é ainda maior, subindo para uma média de 101 vezes ao dia.

Isso é mais do que “apenas aquela olhadinha”, é um bom tempo do dia gasto em verificar notificações.

Como identificar o transtorno de ansiedade de mídia social

A maioria das pessoas que possuem contas de mídia social não ficam nervosas ou estressadas quando não conseguem verificar suas notificações a cada cinco minutos.

No entanto, para aqueles que têm o transtorno de ansiedade de mídia social, apenas o fato de ficar longe de sua conta no Facebook, Instagram, Twitter ou WhatsApp por alguns minutos pode causar uma ansiedade severa.

Estudos também já comprovaram que o vício em internet causa mudanças no cérebro semelhantes às normalmente encontradas em pessoas viciadas em drogas, como álcool, cocaína e maconha.

Alguns dos sintomas mais comuns do transtorno de ansiedade de mídia social são:

  • Interromper conversas para verificar suas mídias sociais;
  • Tentar parar ou reduzir o uso mais de uma vez sem ter sucesso;
  • Perda de interesse em outras atividades;
  • Negligenciar o trabalho, ou a escola, para usar as mídias sociais;
  • Vivenciar sintomas de abstinência quando você não consegue acessá-las;
  • Gastar mais de seis horas por dia na internet ou em mídias sociais;
  • Ter uma grande necessidade de compartilhar as coisas com os outros;
  • Ter a necessidade de estar com seu celular 24 horas por dia para verificar as redes sociais;
  • Usar a internet, em geral, com mais frequência do que o planejado;
  • Enfrentar um grave nervosismo quando você é possível verificar as notificações do celular.

No geral, cerca de 30% dos usuários de redes sociais passam mais de 15 horas por semana online.

Isso pode reduzir muito a capacidade de aproveitar a vida real. Também pode custar relacionamentos, empregos e afetar a educação.

Se você está gastando várias horas por dia nas redes sociais, provavelmente você não terá tempo suficiente para trabalhar, estudar ou passar tempo com seus familiares e amigos.

E mais, o transtorno de ansiedade de mídia social também pode afetar sua saúde, tanto física como mentalmente.

Riscos Físicos do Vício em Mídias Sociais

Muitas pessoas passam o dia no computador quando estão no ambiente de trabalho e à noite, quando estão em casa, ficam horas no celular. O corpo sente e sofre as consequências. Algumas delas são:

  • Dores no pescoço: é comum inclinar o pescoço para baixo quando estamos utilizando o celular. Quem passa horas fazendo isso pode estar pressionando demasiadamente a coluna cervical e afetando a postura;
  • Dores nas mãos: digitar e deslizar a tela constantemente pode causar inflamação das articulações;
  • Dores no punho: realizar movimentos repetitivos no celular pode causar inflamação e dores no punho, que podem irradiar por toda musculatura próxima;
  • Sono prejudicado: a luz emitida pelos celulares ativa os neurônios e prejudica o sono, o que resulta em ansiedade.

Problemas de saúde mental causados ​​pelo vício em mídias sociais

O uso descontrolado das mídias sociais causa mais do que apenas ansiedade. O abuso também pode causar depressão, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, transtorno impulsivo, problemas com o funcionamento mental, paranoia e solidão.

Há também uma grande pressão em compartilhar as coisas que acontecem em sua vida. Você acaba comparando sua vida com a vida dos outros.

Muitas pessoas observam alguém no Facebook ou no Instagram que tem um ótimo trabalho, um excelente marido e uma bela casa e elas se sentem felizes por elas.

Mas, outros podem sentir inveja, depressão ou até mesmo pensamentos suicidas sobre sua própria vida, se não forem tão “perfeitos” quanto aqueles.

Como se livrar desse transtorno?

Primeiro de tudo, basta perceber que muitas pessoas que postam todas essas coisas nas redes sociais levam uma vida normal, como eu e você, mas eles só compartilham as coisas boas por lá.

Se a sua vida não parece tão incrível quanto o que você vê no Facebook ou no Instagram, ela não irá melhorar com o fato de você ficar obcecado com isso.

O que fará você sentir-se bem é sair e aproveitar a sua vida real, não sua “vida de rede social”.

Não sabe por onde começar? Aqui vão algumas dicas que podem ajudar:

  • Comece a diminuir o uso da internet e principalmente do celular;
  • Quando você sentir-se ansioso, desligue o celular e comece a se movimentar;
  • Comece a praticar um exercício físico, fará bem para seu corpo e sua mente;
  • Faça um esforço para socializar com pequenos grupos na vida real;
  • Entenda que muitas pessoas também sentem-se nervosas ou ansiosas em situações sociais, você não é o único;
  • Caso sinta extrema ansiedade procure ajuda profissional.

A internet é uma excelente ferramenta, não há dúvidas. Nos possibilita um fácil acesso ao conhecimento, na obtenção de serviços e pesquisas, nos aproxima de pessoas que estão longe geograficamente, entre tantos outros benefícios.

Contudo, é preciso saber usá-la de maneira inteligente. Não devemos ficar conectados por muito tempo, prejudicando nossa saúde física e mental.

Faça um balanço e responda a si mesmo, você está aproveitando sua vida real?

Mariângela Guerra

Mariângela Guerra é psicóloga há mais de 35 anos, especializada pela USP no tratamento de ansiedade através de Terapia Cognitivo Comportamental. Seu objetivo é ajudar as pessoas a lidarem melhor com alta pressão e ansiedade para aumentarem seu desempenho profissional e qualidade de vida.

Últimos posts por Mariângela Guerra (exibir todos)