Dracula é o nome do livro publicado pelo escritor britânico Bram Stoker em 1897 e que conta a história fictícia de um aristocrata húngaro que fala inglês e alemão fluentemente, mas que não se deixa passar despercebido por ser também um vampiro que viaja ao Reino Unido com a intenção de colonizar o Ocidente.

Ainda que a narrativa se passe na Inglaterra do período vitoriano, ela começa e termina de fato na Transilvânia, uma das três regiões que compreendem o atual território da Romênia. “A Transilvânia de Stoker é sinistra, remota e uma região primitiva onde o mal e o sobrenatural vivem selvagemente”, diz o geógrafo e professor britânico Duncan Light, da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, e autor do livro Dracula Tourism in Romania (sem tradução para o português).

A história do conde Drácula se tornou popular a partir da segunda metade do século XX, quando começaram a ser produzidos filmes, livros e outros produtos se referindo a ele como vampiro, na mesma proporção em que a Transilvânia se tornou um lugar conhecido internacionalmente pela existência destas criaturas.

Hoje, a maior parte dos turistas que compram passagens em direção ao país do Leste Europeu chega em busca dos roteiros feitos em torno do mito do Drácula, assim como a obra de Stoker permanece no imaginário popular, chegando ao ponto de estender o significado da Romênia como “lugar do Drácula”.

Na Romênia, porém, o livro só foi traduzido nos anos 1990, quando os romenos perceberam que os relatos sobre o conde Drácula tinham semelhanças com o imperador medieval romeno Vlad Tepes, conhecido como Vlad Dracul, que governou a região durante o século XV, período em que ficou conhecido por sua prática de empalar criminosos e inimigos de guerra em árvores da região.  

Em 1975, os documentaristas Radu Florescu, da Romênia, e Andy McNally, dos EUA, lançaram o filme Search of Dracula, em que afirmam que que Stoker procurou detalhes históricos durante o período em que pesquisou sobre as histórias medievais de Vlad Tepes. Eles acreditam que Vlad Dracul foi o modelo utilizado para o vampiro de Stoker.

No documentário, porém, Vlad Dracul é retratado como um tirano e, ainda assim, como um vampiro folclórico da Transilvânia. Isso num momento em que o interesse por vampiros era grande nos Estados Unidos, o que contribuiu para o sucesso da obra, criando a ideia ainda mais forte que Vlad Dracul e Drácula eram o mesmo personagem.

O mito do Drácula se tornou uma questão política para a Romênia em 1960, quando o turismo no país foi aberto aos estrangeiros. O governo acreditava que era necessário criar receitas para importar produtos do exterior e, ao mesmo tempo, entendia que aquele era o momento de, por meio do turismo, criar uma propaganda que atestasse a superioridade do socialismo. No caso romeno, havia o desejo de se afastar do bloco soviético, liderado por Moscou, e desenvolver uma independência nacional por meio da exibição das “potencialidades” do país ao mundo.

O governo, então, investiu em hotéis litorâneos, construiu resorts de esqui nas montanhas e não deixou de abrir rotas para a região da Transilvânia, que, naquela época, era o principal cartão-postal romeno na Europa, mesmo contra a vontade da própria Romênia.

Os visitantes chegavam em busca dos cenários do livro de Stoker ou queriam ver com seus próprios olhos o que havia sido detalhado pelo autor britânico sobre a região. No entanto, quando os turistas chegavam ao país, descobriam que não havia nada, porque o mito do Drácula era desconhecido pelos próprios romenos.

Bran Castle - Romênia
Bran Castle – Romênia

A busca particular dos viajantes estrangeiros era pelo castelo descrito no livro e que, na verdade, também nunca havia existido. Conforme as massas turísticas chegavam cada vez mais, o governo não resistiu: décadas depois, adquiriu o Bran Castell, no sudeste da Transilvânia, que funcionava como um museu de arte feudal e que, por causa das agências de viagem, já era chamado na Europa de “Castelo do Drácula”. Assim, ele se tornou a casa fictícia de um mito que, da mesma forma, nunca foi real.   

“O Bran Castle ilustra como o significado dos pontos turísticos é construído mais pelos próprios turistas do que pelas apresentações oficiais. O turismo é uma interação entre as intenções e projetos dos criadores de lugares turísticos e as informações e biografias dos visitantes. Turistas levam consigo conhecimentos, expectativas, fantasias e mitologias geradas em e da cultura de origem, e essa bagagem cultural circunscreve o encontro deles com o destino visitado”, diz Duncan Light no seu livro.

A obra de de McNally e Florescu fez sucesso suficiente nos Estados Unidos para fazer uma grande companhia de viagens de Nova York procurar o gabinete de representação diplomática romeno na cidade para promover o turismo à Transilvânia.

Duncan diz que o alto funcionário da Romênia ficou surpreso com o caso, mas como o país queria criar vínculos com os EUA, ele acabou aceitando construir excursões aos locais associados com Vlad Dracul e com o vampiro ficcional de Stoker. O Ministério do Turismo romeno, por sua vez, não gostou da ideia e chamou os funcionários a Bucareste para discutir o assunto. Como um deles tinha lido o livro, o ministro achou que havia força suficiente no mito ocidental do Drácula para atrair turistas estrangeiros ao país.

Apesar disso, foi apenas em 2001, décadas depois de relutância, que o governo romeno anunciou a construção de um parque temático sobre o Drácula na Transilvânia. Para Duncan, “o projeto era mais que somente um empreendimento econômico: era também uma declaração sobre a Romênia e o que o país poderia alcançar. O parque era um jeito de projetar uma imagem positiva da Romênia como um país voltado para o futuro com ideias inovadoras e arrojadas”.

O parque, porém, gerou uma imensa contestação da oposição política tanto pelos preocupados com a ideia de que a imagem do país no exterior seria de “terror” como aqueles que argumentavam que esse reconhecimento destruiria o folclore local. Quando organizações internacionais também protestaram, o governo precisou se reposicionar, já que se considerou que a construção do parque afastava o país das normas da União Europeia.

“O parque Drácula representava novamente a Romênia como não totalmente europeia aos olhos do Ocidente. A primeira tentativa séria de explorar o mito do Drácula ao turismo tinha projetado uma mensagem sobre o país que era exatamente o oposto do pretendido”, finaliza Duncan.

O projeto do parque foi abandonado em 2005.