Pablo Emilio Escobar Gaviria foi o narcotraficante mais rico e bem-sucedido da história do narcotráfico. O colombiano conquistou fama mundial por conta do tráfico de cocaína aos Estados Unidos e vários outros países.

Em geral, autoridades e a mídia consideram que Escobar foi “o mais brutal, impiedoso, ambicioso e poderoso narcotraficante que já existiu”.

Conhecido por sua crueldade, impiedade, sarcasmo e pelo estilo maquiavélico, Escobar utilizava a tática da violência, corrupção e intimidação. Ele não respeitava as regras; preferia seguir sua própria lei. Foi conhecido por sua eficiente política do plata o plomo (dinheiro ou chumbo), em que juízes, policiais, jornalistas, políticos e outros eram obrigados a aceitar o seu dinheiro, caso contrário seriam executados sem misericórdia.

Aos 22 anos Escobar era milionário e, com 28 anos de idade, ele já comandava o maior cartel de drogas da história (o cartel de Medellín), que contrabandeava 15 toneladas de cocaína por dia só para os Estados Unidos, processava/exportava 80% da cocaína consumida no mundo todo e faturava cerca de US$ 30 bilhões por ano.

Pablo Escobar foi um líder visionário, bem como um terrorista, assassino e genocida. Calcula-se que ele tinha envolvimento em mais de 6 mil homicídios ao longo de duas décadas de terror. Em vida foi tão amado quanto odiado, e sua história o torna um ser quase mítico.

Apesar de ter sido uma criatura controversa, repugnante e muitos o considerarem como louco, pesquisadores e historiadores em geral acreditam que ele foi um gênio.

25 curiosidades sobre a história de Pablo Escobar

1. Pablo Escobar teve uma infância bastante pobre e precária. Ele nasceu na cidade de Rionegro, Colômbia, onde vivia com o pai e a mãe, ele um agricultor e ela uma professora de escola primária.

2. Escobar chegou a ingressar na faculdade, tendo se matriculado no curso de Ciências Políticas. Porém, nem ele nem os pais tinham condições financeiras suficientes para pagar o curso até o fim, e por isso ele teve que abandonar os estudos precocemente.

3. Pablo Escobar entrou no mundo da criminalidade de forma discreta. Ele começou supostamente roubando e vendendo lápides de cemitérios, e depois passou a comercializar cigarros contrabandeados e também bilhetes de loteria falsificados.

4. No início da vida criminosa, Escobar furtava carros pelas ruas de Medellín. Ele foi preso pela primeira vez em setembro de 1974, quando dirigia um dos veículos roubados.

5. Em meados de 1970, ele trabalhou como guarda-costas e ladrão, fase em que ganhou seus primeiros 100 mil dólares após ter sequestrado um político de Medellín que estava com a cabeça à prêmio.

6. Ele começou a se envolver com cocaína em 1975. Dizem que a mentora de Pablo Escobar no mundo do narcotráfico foi uma colombiana chamada Griselda Blanco, conhecida na época como “a rainha da cocaína”. Ela morreu assassinada a tiros por mercenários no dia 3 de setembro de 2012, aos 69 anos de idade.

7. A fortuna de Escobar era tão grande que uma boa parte era enterrada em vários pontos a fim de evitar suspeitas.

8. Escobar teve dois filhos com sua última esposa, Maria Victoria Henao. Trata-se de um casal, Juan Pablo e Manuela.

9. O cartel de Medellín gastava cerca de US$ 1 mil por mês em elásticos para prender as pilhas de dinheiro.

10. Escobar chegou a perder completamente a noção de quanto dinheiro possuía, mas nem ligava. Todos os anos, calcula-se que ele perdia US$ 2 bilhões (cerca de 10% da renda anual) por causa de umidade, vazamentos ou ratos que roíam as pilhas de cédulas que ele guardava em galpões.

11. Conta-se que Escobar costumava mandar cartas para suas vítimas convidando-as para seus próprios enterros, com data, local e hora marcada. Logo em seguida, seus homens executavam-nas.

12. No auge de sua riqueza (no ano de 1989), Escobar foi divulgado na revista Forbes como o sétimo homem mais rico do mundo.

13. Escobar era casado, mas sempre foi conhecido por seus casos extraconjugais, sobretudo com garotas menores de idade.

14. Certa vez, durante uma fuga, Escobar se escondeu com a família em uma região montanhosa nos arredores de Medellín. No local fazia muito frio, e sua pequena filha não conseguia dormir. Então, ele encontrou uma solução: queimou aproximadamente 2 milhões de dólares em dinheiro vivo para manter a filha aquecida.

15. Escobar matou trê candidatos à presidência da Colômbia que representavam ameaças a suas políticas comunistas.

16. À base de dinamite, Pablo Escobar ordenou a explosão de dezenas de prédios históricos, bases policiais, palácios de justiça e escritórios administrativos de rivais a fim de retardar as ações de inteligência que ameaçavam deter seu império.

17. Escobar sempre batalhou pelo objetivo de abolir a extradição. Ele se indignava pelo fato da Colômbia ser um fantoche manipulado pelo governo americano. Com medo de ser extraditado para os EUA, ele fez um acordo com o governo colombiano: sua rendição em troca da transferência para outra prisão que ele mesmo construiria, chamada La Catedral. Apesar de preso, Escobar usava o local apenas para se entreter. Ele instalou cassinos, bares, sistemas modernos de som, jacuzzis e outros utensílios de luxo; além de pagar prostitutas para ele e seus comparsas.

18. Pablo Escobar formou seu próprio exército militar, que consistia em centenas de soldados ou mercenários que eram chamados de sicarios. Ele e seus homens espalharam terror e derramaram sangue por toda Colômbia durante quase vinte anos de atentados terroristas e assassinatos.

19. Um dos métodos que Escobar usava para contrabandear cocaína era esconder a droga nos pneus de aviões e outros veículos que as transportavam. Pablo chegava a pagar 500 mil dólares aos condutores para fazerem as travessias. Ele manteve uma frota de 20 aviões, 6 helicópteros, 2 jatos particulares, 5 submarinos de tecnologia moderna e centenas de caminhões de carga. A droga entrava de qualquer jeito necessário.

20. Escobar era amado por grande parte da população colombiana, que o consideravam um verdadeiro herói, pois realmente acreditavam que ele roubava dos ricos para dar aos pobres (inclusive muitos o chamavam de Robin Hood). De fato, ele doava dinheiro aos pobres, alimentava mendigos, dava casas para os mais necessitados e construía bairros para abrigar comunidades carentes. Assim, ele conquistava muita gente, além de garantir apoio e proteção do povo contra as autoridades.

21. Escobar era apaixonado por esportes, especialmente futebol. Ele patrocinava vários clubes esportivos, e chegou a ser dono do tradicional clube colombiano Atlético Nacional. E claro, Escobar subornava autoridades esportivas para que seu time sempre ganhasse os principais jogos.

22. Escobar adorava animais. Dentro de sua fazenda Nápoles, uma propriedade 22 vezes maior do que o parque do Ibirapuera, o narcotraficante montou um zoológico com centenas de bichos que mantinha em criação em pastos, jaulas ou nos 12 lagos que havia por lá. Ordenou a compra de diversos animais raros como rinocerontes, búfalos, aves tropicais, elefantes indianos, antílopes, cangurus australianos, zebras e um casal de hipopótamos africanos.

23. Pablo Escobar ficou famoso na mídia por alguns comentários que sempre fazia sobre si mesmo ou acerca de suas visões de negócio. Algumas das frases icônicas eram: “Vocês podem aceitar meu negócio ou aceitar as consequências”, “Prefiro uma cova na Colômbia do que uma cela nos EUA”, “Não sou rico, sou uma pessoa pobre com dinheiro”.

24. Em novembro de 1989, Escobar recebeu informações de que o então candidato à presidência Cesar Gaviria estaria viajando no voo 207 da companhia aérea Avianca. Determinado a assassiná-lo, Escobar contratou um jovem colombiano para pegar o mesmo voo, e deu a ele um dispositivo eletrônico. No dispositivo, Escobar havia escondido uma bomba. No fim, Gaviria não estava presente no voo, mas a bomba plantada deixou um total de 107 pessoas mortas e nenhum sobrevivente. O atentado terrorista contra o voo 207 da Avianca foi um dos mais trágicos e marcantes de toda a história, deixando na memória dos colombianos um trauma significativo e simbólico do poder da organização de Pablo Escobar.

25. Em 2 de dezembro de 1993, uma divisão policial da inteligência colombiana (treinada pelos EUA) rastreou uma ligação de Escobar a seu filho e, através de uma rápida operação militar, Escobar foi cercado no local. Seus soldados abriram fogo contra os militares, mas todos foram mortos. Na tentativa de escapar, Escobar subiu ao telhado da casa, onde acabou sendo alvejado por balas, terminando em uma morte dramática e instantânea.


Escobar proporcionou à Colômbia um dos períodos mais conturbados de sua história. Ironicamente, o túmulo de Pablo Escobar em Medellín virou atração turística e hoje recebe milhares de visitantes todos os anos.

Devido à ineficácia da política antidrogas, a cultura dos narcotraficantes está presente até hoje. De acordo com a socióloga Alejandra Echeverri, da Universidade de Medellín:

“A história se repete. Os pequenos assassinos de Pablo Escobar agora são os chefes das gangues. O tráfico de drogas, o caos, a corrupção, a lógica da abundância e do dinheiro fácil, tudo isso ainda faz parte da vida cotidiana. Escobar continua sendo um mito especialmente para a geração mais jovem nas favelas.”

Em relação à Colômbia, vinte e dois anos após a morte de Pablo Escobar, o país continua sendo o maior exportador de cocaína do mundo. Como se vê, o legado do maior narcotraficante da história deverá permanecer pelo menos até a fracassada política antidrogas ser repensada.


*Com informações do History, El Pais, The Huffington Post, Business Insider, R7 e Wikipedia.

Eduardo Ruano

Eduardo Ruano

Escritor e redator freelancer. Gosto de informação, conhecimento, cultura, arte, música, insights e boas histórias. Odeio cerimônias, falsidades e ostentação. Acredito no valor da humildade e me sinto bem vivendo com simplicidade. Observador ativo do comportamento humano e um apaixonado por ficção. Referências de conteúdo são sempre inspirações. Quando a mente viaja, eu escrevo.
Eduardo Ruano